São Paulo - SP

O Pastiche

Somos um grupo de produção cultural e pesquisa, composto por músicos, professores  pesquisadores da área de educação, gestado e vinculado ao grupo de pesquisa GPEF (FEUSP)

Alexsandra Franklin

Dançarina, cantora

 

Anderson Rosa 

Ator, capoeirista, berimbau

Davi Avansini

Violão

Everaldo Cortes

Ator

Leandro Carvalhal

Cavaquinho e atabaque

Luciano Previati

Percussão (variado)

Milena Ignácio 

 

Flauta transversal

Mônica Fogaça

Cantora, atriz

Zulluh

Percussão (variada)

O PASTICHE 

O grupo é uma mistura em vários sentidos, mistura de artistas (músicos, atores e dançarinos) e professores que fazem e analisam misturas/ pastiches em prol de produzir arte e educação. Produzem espetáculos híbridos de múltiplas linguagens e eventos, como música, dança, dramatização, rituais religiosos, capoeira, contação de histórias, grafite, video, desenho ....

Tudo isso com a a intenção de sensibilizar e desconstruir preconceitos acerca de diferentes grupos identitários: gênero, raça, religioso, classe social. Seu trabalho é resultado do compromisso com uma sociedade multicultural e com a diferença.

 

Parte dos componentes estudava em uma escola de música e/ou tinha carreira em dança. Todos tinham o desejo de produzir algo que pudesse expressar sua sensibilidade artística frente às injustiças sociais de um modo mais amplo. Outros componentes também tocavam e participavam de peças teatrais, eram professores da rede pública (escola estadual) e tinham como elemento de ligação a sua participação nas reuniões do GPEF (Grupo de Pesquisas em Educação Física Escolar da Faculdade de Educação da USP –). Esses últimos tiveram vontade de traduzir as pesquisas acerca das identidades marginalizadas e de suas práticas culturais em intervenções artísticas nas comunidades por meio de uma pedagogia cultural (um dos principais enfoques dos Estudos Culturais em Educação). Quando os dois grupos de encontraram nas rodas de samba, os vários fios se ataram e surgiu o projeto.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

O grupo já produziu cursos para alunos de ensino médio, formações de professores de educação básica  e diversas apresentações  em teatros dos CEUs , de algumas faculdades e de outras organizações, geralmente na periferia. Os cursos sobre samba tiveram, inclusive, uma citação na Revista Educação como um caso de inovação