O que há na síncopa do samba?

Um Canto de Resistência!

“Laroyê Exu. Exu é mojubá".

Em "Samba: um canto de resistência” narramos a história do samba no Brasil , entre as décadas de 1910 e 1950. Nesta história, Rosa é uma boneca que não se move , não tem voz , não tem vontades. 

Ao longo da narrativa, Rosa, por meio da influência de Exu descobre-se como gente com valor , movimentos, vontade, voz. 

Exu é caminho entre o mundo material Ayé e o mundo espiritual Orun.

Ele está no movimento da dança, no som da música e conduz a palavra no improviso. 

Trata-se de um espetáculo  de caráter cultural e educativo que apresenta, em meio à história do samba tradicional, o conhecimento e beleza das práticas culturais de matriz afrodescendente, como o candomblé, a capoeira, a visão cósmica e coletiva das comunidades de matriz afro. 

 

Venha para saborear , durante a peça:

 

Canto das três raças

Lamentos

 

Pelo Telefone

 

Carinhoso

Isto aqui o que é?

Preciso me encontrar

Não deixe o samba morrer.

É durante a narrativa da história que o público se encontra com a desestabilização dos discursos de discriminação racial, de intolerância religiosa, de sexismo, de exclusão presentes no cotidiano. O foco é a reflexão crítica e da sensibilização estética.

 

Ao final de cada apresentação, oferecemos uma roda de conversa ocm a plateia sobre os temas tratados. 

 

Samba : um canto de resistência.